História

icone de chapéu nordestino

Conhecida pelo seu colorido, variedade e sabor, a cozinha nordestina tem suas raízes mergulhadas no tempo da colonização, quando aqui chegaram os primeiros portugueses.

A mistura dos aromas, variedades de alimentos (frutas, peixes, carnes) juntamente com a “nordestinalidade” , apresentaram o diferencial desta culinária regional aos portugueses.

Apresentando-se como um exímio nordestino e amante de toda nossa cultura, em 1997, o Sr. Francisco de Farias - mais conhecido como Chiquinho - juntamente com seu sócio Peninha e Manoelzinho, em viagem ao nordeste, apresentou-se maravilhado e deslumbrado com esta diversidade. De volta ao Rio de Janeiro inaugura o restaurante nordestino Estação Baião de Dois.

A casa foi inaugurada no bairro mais boêmio do Rio de janeiro: Vila Isabel, sendo muito bem recebida pelos amigos de Noel Rosa. Inicialmente nosso cardápio apresentava nove pratos dos estados nordestinos, mantendo sua originalidade, mas com um “oxente” a mais: a assinatura Estação Baião de Dois. Estabelecendo rapidamente sua qualidade, atendimento, sabor e decoração.

Após seis anos da mistura de arrasta pé com samba, o Estação Baião de Dois participa do projeto de transformar o pavilhão de São Cristovão em uma feira nordestina. Assim, em 2003 o Estação Baião de dois passou a integrar o maior pólo cultural e gastronômico nordestino do Rio de Janeiro.

Buscando até hoje em uma área de 1.561.177,8 Km2 (extensão da área nordestina) a arte, diversidade, criatividade e humor, o Estação Baião de Dois continua sendo considerado o melhor restaurante de comida nordestina do Rio de Janeiro.

Interior do Restaurante em São Cristóvão
Fachada e entrada do Restaurante em São Cristóvão

Um cheiro,

Logo do Baião de Dois em vermelho